[Série] Stranger Things



Stranger Things, foi criada pelos irmãos Matt e Ross Duffer, e distribuída pela Netflix. O seriado de suspense, drama e terror, se passa em 1983 e traz muitas referências da época, o que eu achei maravilhoso. Quando assistimos é uma verdadeira “viagem” no tempo!

Os chás que eu amo e estão sempre na minha vida!



Olá leitores,

Eu sempre fui muito adepta aos chás, desde pequena. Fui criada com vó e quando estava doente, ela sempre me dava um chazinho bem gostoso! Claro que na maioria das vezes ela recorria aos médicos e remédios, mas eu não curtia muito a parte dos remédios, aliás, até hoje eu não curto.

Devido a isso sempre estou tomando um chá ou outro, mesmo que eu não esteja doente ou precisando eu sempre faço, principalmente na parte da noite.
Hoje selecionei meus chás preferidos e vim contar para vocês!

A gente tem que ser de verdade


Não gosto de quem se esconde atrás de uma palavra, um escudo ou base para o rosto. Não tolero quem diz uma coisa e faz outra, quem promete e nunca cumpre, quem diz que ama e nada sente. Não suporto quem tenta aparecer a qualquer custo, quem acha que o dinheiro compra tudo, quem esquece do que mais importa.

Gosto de quem mostra o rosto suado, as mãos sujas, o verbo esparramado, os pés descalços. Gosto de quem não tem medo do não, de quem perde o controle, de quem esquece a razão. Gosto de quem se molha na chuva, suja a bochecha de melancia, deita na grama pra olhar o céu. Gosto de quem não esconde a emoção, de quem não se importa em secar a lágrima, de quem perde a hora vendo a paisagem.

Não gosto de quem fala pelas costas, tenta dar o gole, passar a perna ou esconder o jogo. Não gosto de quem trai a si mesmo e o outro, distribui promessas rasgadas, espalha mentiras. Não gosto de quem força amizade, vive de aparências ou reage com grosseria.

Gosto de quem olha com doçura, nunca perde o encanto, esquece as desavenças e perdoa o que passou. Gosto de quem se arrepia com uma música, sente uma lágrima rolar com um filme e se alegra com uma lambida de cachorro. Gosto de quem sorri ao ver uma criança, de quem mantém seu lado puro, de quem entende que a vida é melhor quando a gente observa o que acontece com olhos inocentes.

Clarissa Corrêa.

[Lançamento] Editora Gente/Única

Olá leitores,

A editora Gente e Única estão com lançamentos bacanas.
Confira os livros que acabaram de sair do forno.

FIQUE COM ALGUÉM QUE NÃO TENHA DÚVIDAS.

 

Uma das maiores certezas da vida é que todo mundo vai sofrer por amor.

Desnecessário dizer que todo mundo já teve uma história amorosa que deu errado. E se ainda não teve, um dia vai ter. Mas por que isso acontece com tanta gente e com tanta frequência? Falta de sorte? Dificuldade em dialogar? Falta de leitura do outro? Nada disso. A verdade é uma só: quando desejamos muito uma pessoa, ignoramos todos os sinais, os aprendizados e a experiência que temos e insistimos cegamente, mesmo que as chances estejam contra nós.
Sim, a paixão nos faz crer nas desculpas mais esfarrapadas e a descrer nos avisos mais óbvios, e então nos boicotamos tentando acreditar na ilusão de que dessa vez vai ser diferente. Nunca é.
Marina Barbieri está há anos tentando impedir suas leitoras de se enganarem. Autora do Deu Ruim, um dos blogs sobre relacionamentos de maior sucesso no Brasil, Marina Barbieri fala neste livro sobre tudo aquilo que no fundo você já sabe, mas se recusa a assumir. Você vai conhecer personagens que provavelmente já deve ter encontrado, como o sr. FeitoPara-Casar, o sr. Distância e o sr. Problema, entre tantas outras figurinhas que estão perambulando por aí e vez ou outra atravessam a sua vida.

[Resenha] Hecatombe Hipotética


Sinopse: Faz - me um favor, me dá licença,
Pra quê me esforçar pelo poema?
Porque eu tenho que servir a poesia,
Como quer a vontade alheia?

Escrevo só pra mim, gente esnobe!
Ninguém é obrigado a ler:
Então dá licença,
Poética.

[Inspiração] Tatuagens Literárias

Olá leitores,

Quem ama o universo literário e curte tatuagem com certeza já pensou em fazer uma "tattoo" do tema, uma frase que marcou, livro que mais gosta, personagens, entre outros.
Porém, muitas vezes bate aquela dúvida sobre como vai ficar, em qual lugar do corpo fazer! Para ajudar, vasculhei alguns sites e busquei ideias super legais para você se inspirar em trechos, símbolos do livro ou saga preferida e desenhos de livros.

Vem comigo conferir!

Trechos que marcaram.




[Crônica] Entre Culpas e Certezas


Ando cansada de carregar culpas que não são minhas. Sei que a frase parece estranha (e é), mas tem gente que acha que preciso saber todas as respostas. Logo eu, que nada sei. Verdade, quanto mais o tempo passa mais eu vejo que tenho muito o que aprender com a vida e as pessoas. Todo mundo tem algo para nos ensinar. Diariamente. Pena que nem sempre são coisas boas. Mas se o outro não ensina nada positivo, pelo menos podemos aprender o que não devemos fazer.

Se você não sabe pra onde quer ir, tudo bem. Se pelo menos souber o que não quer para a sua vida já é meio caminho andado. Eu sei o que não quero de forma alguma, assim, já elimino muita coisa. E muita gente.

Chega de se lamentar. Se a sua vida anda ruim, desculpa, mas não tenho nada a ver com isso. A minha vida também é cheia de problemas, mas eles são meus. E você não tem nada a ver com isso. Você não tem nenhuma responsabilidade, nenhuma culpa, nada. Não tenho que te cobrar coisa alguma, pois minhas cagadas e acertos só dizem respeito a mim. Se eu faço alguma coisa que te afeta e te fere, me perdoa. Não tenho a intenção de magoar ninguém com meus atos. E se de vez em quando isso acontece, faz parte da vida. Inevitavelmente, magoamos pessoas. Inevitavelmente, esperamos coisas e atitudes das pessoas. Inevitavelmente, existe a frustração. E temos que aprender a conviver com ela pra tentar ser feliz.

De vez em quando cansa ser adulta, dá uma vontade louca de fazer as malas e voltar para a casa da mãe e do pai. E ficar lá, acolhida naquele mundo onde nada atinge e abala, onde a maior preocupação é a menina da escola que me chamou de boba, feia e chata. Então eu penso: não. Uma hora a gente tem que olhar nos olhos dos medos. E andar pra frente. Sem atalho, sem muleta, sem abrigo. Porque a vida é o que acontece no intervalo dos nossos medos. Eles nos petrificam, nos transformam em múmias. É só quando a gente acorda, anda, se mexe, manda eles embora que a vida de fato surge pelos buracos da fechadura.

Sempre pensei que todo mundo tem uma missão. Ninguém vive por viver, nasce por nascer, morre por morrer. Você tem uma missão e deve tentar cumprir tudo o que “está escrito” da melhor forma possível. Mas a gente não sabe o que está escrito. Temos que tentar adivinhar todo o santo dia. É por isso que existe a intuição: ela nos leva para onde devemos ir. É por isso que a gente deve seguir o que o coração diz: ele sempre está certo.

Clarissa Corrêa.